Thursday, September 14, 2006

 

Segredo Sagrado: O Código do Santo Graal


Entre os magos, o Santo Graal é o arcano maior. Só ele pode salvar os casais do dilúvio dos sofrimentos. No cálice de Cristo está contido o maior segredo do universo. No entanto, "
Nada está oculto, que não venha a ser revelado, nem tão secreto que não venha a se saber. O que digo a vocês nas trevas, digam na luz, e o que vocês ouvem, ao pé do ouvido, proclamem sobre os telhados" (Mateus, 10:27).

Reza a lenda...

Melquisedeque entregou o Santo Graal a Abrão, que nele depositou o maná do deserto. Mais tarde, por meio da Rainha de Sabá, o Cálix Bento foi levado ao templo de Jerusalém. Depois de submeter o Rei Salomão a provas rigorosas, a Rainha lhe entregou a Sagrada Relíquia.

Jesus bebeu na Taça de Salomão na Última Ceia. Depois da Crucificação, o senador José de Arimatéia, auxiliado por Nicodemos, tirou o corpo de Jesus da cruz, encheu o Cálice com o sangue que manava das feridas do Mestre crucificado, envolveu-o em tecido precioso, colocou-o num túmulo e cobriu o local com uma pedra, para que os discípulos não pudessem levar o corpo.

A polícia romana invadiu a casa de José, à procura da Jóia Sacrossanta, mas não a encontrou. O senador havia escondido não só o Graal, mas também a Lança com a qual os soldados romanos feriram as costas do Salvador.

José não disse onde estavam os tesouros. Então, as autoridades o jogaram num horrível e afastado calabouço. Diz a tradição que José ficou preso por 42 anos. Durante a clausura, ele foi milagrosamente nutrido e consolado pelas jóias santas. Cristo apareceu e disse: "O inimigo, que nada mais fez do que espreitar os Homens para induzí-los ao mal, seduziu primeiro Eva; e, como toda a humanidade ficou aprisionada por causa de uma mulher, Deus quis que novamente, por meio de uma mulher, todos fossem libertados".

Ao sair do cárcere, o senador foi para Roma, levando o Santo Graal. Como lá os cristãos eram perseguidos pelo imperador Nero, José desviou o caminho pelo Mediterrâneo. Cumprindo as ordens de um anjo, enterrou o Cálice num templo espanhol localizado em Montserrat, na Catalunha. Com o tempo o Graal se fez invisível, e parte da montanha. Na época das Cruzadas, Lancelot, Parsifal, Tristão, Lonhengrin, Galahad e outros cavaleiros da Idade Média, como os templários, orientados por Santo Agostinho, buscaram o Graal pelo mundo a fora. Mas só o encontraram dentro de si mesmos.

Simbologia

Historicamente, o Santo Graal é uma relíquia inestimável, que deu origem a muitas adaptações cinematográficas e falsificações arqueológicas. Mitologicamente, a demanda do Santo Graal é um conto de fadas, onde o motivo principal é a busca de uma "preciosidade de difícil alcance" e a libertação de um feitiço, que é a ilusão da vida inconsciente. Religiosamente, o Graal é uma necessidade teológica, pois simboliza que a substância crística - seu corpo e espírito - continuam vivos, seja no vinho ou na hóstia consagrada. Psicologicamente, o Graal substitui, no imaginário coletivo, o coração de Cristo como receptáculo do seu sangue.

No livro Cruzada rumo ao Graal, publicado em 1933, O. Rahn tenta provar que o Graal foi um objeto sagrado dos cataristas (cátaros, gnósticos albigenses), que tinham uma doutrina neomaniqueísta. Contra a hierarquia e a corrupção eclesiástica, no Século XIII, eles foram perseguidos pela Inquisição e exterminados como heréticos no Sul da França. O autor acredita que os textos dos poemas do Graal ocultariam conteúdo cataristas que, devido à sua periculosidade, se revestiram de linguagem simbólica-mitológica, bíblica ou alquímica.

Entre os poetas do Graal, é ao alemão Wolfram von Eschenbach que cabe o mérito de ter aprofundado a relação entre o Cálice Consagrado e a Alquimia. Wolfram escreveu o livro Parsifal entre 1200 e 1207. Para ele, o Santo Graal, mais do que um recipiente, era a "grès", a pedra filosofal, jóia suprema só conquistada através da Alquimia, que é a ciência oculta do sexo (sexo sagrado).

O Santo Graal simboliza a matriz, o eterno feminino, onde está o elixir da longa vida. O recipiente (a vagina) e a lança (o pênis) são a pedra (a base) da vida. Nesse altar básico, tanto se pode realizar o milagre do matrimônio perfeito, e brindar o elixir, quanto se pode desperdiçá-lo pelos horrores da fornicação (sexo impuro).

O sacerdote deve beber o vinho da luz do Vaso Divino da Alquimia. Lancelote soube transmutar sua energia criadora, por isso bebeu do Vaso de Hermes, servido por Ginebra, a Rainha dos Jinas. Diz a sabedoria hermética: "Levantai bem vossa taça e cuidai de não verter ao chão o precioso vinho".

Tesouro oculto

Segundo o célebre psicólogo Carl Jung, é na Alquimia que a idéia do tesouro oculto encontra sua mais ampla e singular manifestação, porque se supõe que haveria na matéria algo precioso, oculto ou aprisionado, isto é, um espírito, cuja libertação ou transformação constitui a Grande Obra do mago.

Para os cientistas acadêmicos, o fogo provém da combustão. Para os cientistas da vida, a combustão provém do fogo, espírito ou essência que está naturalmente aprisionada em toda matéria. Eis a consciência ígnea de todo sábio. Eis o conhecimento gnóstico, divulgado por Jung, Krumm-Heller, Einstein, Steiner e outros cientistas da vida.

Segundo Paracelso (Século XVI), "todas as coisas são feitas de sal [terra/matéria], mercúrio [água/energia] e enxofre [fogo/espírito]". Para os alquimistas, tudo é substância, e ela é composta de corpo (não combustível) e espírito (combustível). Quando a madeira morre ao ser queimada, temos fumaça e cinzas. Alquimicamente, a cinza é o corpo morto da madeira, e a fumaça que se levanta ao céu é o espírito ou centelha da vida da madeira.

A crença de que uma fagulha de vida divina, caída do céu, acha-se prisioneira em toda matéria, passou a fazer parte da Alquimia graças ao complexo de idéias religiosas e filosóficas que eram correntes na região oriental do Mediterrâneo na época de Jesus. A maior parte dos cabalistas e gnósticos sustentavam esta crença. Um exemplo disso é a Árvore da Vida dos cabalistas, que traz a imagem da alma descendo de Deus através das esferas celestes, até seu cativeiro na matéria, o corpo.

Alquimia dos magos

Em 1530 foi promulgado em Veneza um decreto que condenava à morte os alquimistas. Perseguidos pela Igreja, eles souberam, como ninguém, preservar o maior segredo da vida, graças a uma linguagem química hermética que, até há poucos séculos, só era compreendida por iniciados em magia. A magnésia, por exemplo, na Alquimia simboliza o Cristo. São cinco os princípios básicos defendidos pelos magos da Química Oculta:

1 - O ser humano não tem uma alma, mas sim um ego ou pedra bruta, que por sua vez aprisiona uma semente crística (o ouro, a alma). Todos os homens são desalmados, com exceção dos maçons que trabalham na grande obra de lapidar a pedra bruta até alcançar o brilho áureo. Na mitologia grega, a bela Helena simboliza a alma, pela qual os guerreiros de Tróia tanto lutaram. Eles lutaram contra os mercúrios secos, ou seja, os demônios que constituem o ego, a pedra bruta dos defeitos psicológicos.

2 - O trabalho com a pedra, mais do que paciência, exige uma energia poderosa. Esse poder só pode ser encontrado nas energias sexuais. Livros, mestres, santos, mantras, psicologismos são inúteis, enquanto são se canalize a força sexual para a Grande Obra. O cimento usado pelos pedreiros da maçonaria provém do depósito: as glândulas sexuais. "Solve et coagula" (dissolva e combine) é uma das fórmulas alquímicas, que consiste em dissolver o ego e combinar os opostos na relação heterossexual. Espagíria é o outro nome que tem a alquimia: do grego "spân" (dissolver) + "ageirein" (reunir). O rei e a rainha se unem para erguer o reino alquímico emsua terra filosofal, construir uma realidade espiritual dentro de si mesmos - eis a Grande Obra.

3 - Na natureza, nada se cria e nada se aniquila, tudo se transforma. Assim ensinou o químico francês Lavoisier, no Século XVIII. No século seguinte, a russa Helena Blavatsky ensinaria o mesmo, em linguagem teosófica: "Se a energia crescente da paixão não encontra canais por onde possa escoar-se, ela aumenta a ponto de tornar-se mais forte do que a vontade, mais forte do que a razão. A fim de assegurar o seu controle, devemos conduzí-la para um outro canal, um canal superior. Assim, o amor por algo vulgar pode se transformar em amor por algo elevado, e o vício pode dar lugar à virtude se o seu curso for alterado. Os antigos diziam que a natureza não comportava nenhum vácuo. Não podemos destruir ou aniquilar uma paixão. Se ela for expulsa, um outro impulso elementar virá tomar o seu lugar. Deveríamos, assim, não tentar destruir o que é inferior sem nada colocar no seu lugar, mas sim substituir o inferior pelo superior; o vício pela virtude, a superstição pelo conhecimento".

4 - Tal como é acima é abaixo (assim no céu como na terra). Esta é a sagrada Lei das Correspondências, ensinada pelos grandes lamas, cabalistas e alquimistas da História: Hermes, Salomão, Krishna, Lao-Tsé, Buda, Pitágoras, Platão, Aristóteles, Plotino, Avicena, Santo Agostinho, Basílio Valentim, Zósimo de Panópolis, Agripa, Lúlio, Nicolas Flamel, Paracelso, Isaac Newton, Saint Germain, Cagliosto, Roger Bacon, Fullcaneli, Jorge Adoum.

No mundo material, para se ter um "veículo do ego" (o corpo), é necessário exteriorizar as mesmas energias. E a força capaz de gerar é a única capaz de curar. O princípio é homeopático: semelhante cura semelhante.

5 - O sexo é a pedra fundamental. Sem ele a vida não rola! O ser humano não é filho de nenhuma teoria, escola ou religião (é resultado do ato sexual); na crua raiz de sua existência, só existe um José, uma Maria e o sexo. A vida é a arte do encontro, e o sexo é inerente à vida como o sangue à carne.

Segundo o célebre poeta Walt Whitman, "o sexo contém tudo. Tudo nele está contido, ou como parte dele ou como sua razão de ser". A sexualidade, base existencial de todas as coisas, é a necessidade elétrica de todo ser vivo e tem suas raízes nas camadas mais profundas da psicologia humana. Além de ser o motor da História, o sexo é uma das mais sofisticadas formas de comunicação. Por meio dele, trocamos sensações e sentimentos impossíveis de serem expressos por palavras.

O ser humano foi a única criatura capaz de transformar o sexo em erotismo e refletir sobre o fato de que ninguém é feliz sozinho, porque o homem só encontra a si mesmo através da mulher, e vice-versa. Segundo a esoterista Dion Fortune, "sempre que nos pomos em contato íntimo com uma alma, como se faz durante a união sexual, criamos um vínculo cármico e passa a existir uma relação entre ambos durante longos anos".

Segundo os alquimistas, acreditar que o Homem possua uma alma imortal pode ser muito poético, mas nada tem de verdade. Pois, se a alma é uma coisa que temos assegurada, porque as religiões insistem tanto pela salvação dela? Se o Homem tem uma alma eterna, porque teme a morte? Se o Homem possui uma alma divina, para que serve tantas filosofias e religiões? Para consertar o que é divino?

Milagre da água benta

Não existe pesquisa científica que comprove a existência, preexistência ou inexistência da alma. Porém, já existem conclusões científicas que comprovam a revitalização orgânica mediante "águas" ou energias sexuais estimuladas mas não expelidas.

O fisiologista francês Brown-Séquard, com sua teoria das secreções internas, e o neurologista austríaco Sigmund Freud, com sua teoria da sublimação da libido, foram os primeiros a introduzir as verdades alquimistas nos domínios da Ciência ocidental.

A palavra "hormônio" provém do grego e significa "ânsia de agir, força de ser". Hoje, todo endocrinologista sério sabe que as glândulas sexuais são cápsulas que excretam e incretam hormônios: excretam para reproduzir, e incretam para revitalizar. A alquimia nada mais é do que incretação sexual intensificada e voluntária. Eis a verdadeira transmutação do chumbo (substância ou matéria) em ouro (energia ou espírito). O sábio Einstein transcreveu essa verdade para a linguagem da Física: E = mc2. Energia é igual à massa multiplicada pela velocidade da luz ao quadrado. Energia é matéria acelerada ou sublimada, e matéria é energia desacelerada ou condensada.

Alquimistas não são materialistas nem espiritualistas. São realistas. E sabiam, séculos antes dos endocrinologistas, que os hormônios sexuais não exteriorizados inundam o sistema sanguíneo e chegam às diferentes glândulas de secreção interna. Com isso, ocorre uma superestimulação responsável pela produção maior de lisossomos, que animam todo o sistema nervoso, ampliando nossos sentidos, percepções, e substituindo a doença por saúde.

Há algumas décadas, a Sociedade Oneida, nos Estados Unidos, confirmou esse fenômeno. Vinte e cinco casais voluntários foram monitorados por determinado tempo. Foi ordenado que esses casais tivessem relações sexuais, com penetração, mas sem que houvesse o êxtase final da mulher ou a ejaculação do homem. Submetidos a estudos clínicos, os cientistas notaram o aumento de hormônios no sangue, a revitalização cerebral, a ampliação da potência sexual e o desaparecimento de várias enfermidades.

Na tradição grega, "ambrósia" era o nome do licor ou manjar dos deuses do Olimpo, que dava e conservava a imortalidade. Em linguagem alquímica, este licor, também chamado de amrit ou bindu, é o fluido hormonal do cérebro, cujo desperdício no intelectualismo e no sexo desenfreado seria responsável pelo envelhecimento e desarranjos circulatórios.

Segundo o gnóstico Karl Bunn, Alquimia é a ciência ou a arte de transmutar os metais pesados contidos nos testículos do homem e nos ovários das mulheres. "Portanto, se alguém perde sua matéria ou sua energia sexual, não tem o que transmutar. A energia sexual é perdida não somente pelos espasmos sexuais. Também se perde essa energia pelo estresse, pelas crises ou explosões de ira ou manifestações egóicas; ou ainda pelos excessos de atividade intelectual, física ou emocional".

O terapeuta brasileiro Sérgio Savian diz que existem muitas vantagens em não se chegar ao orgasmo comum durante a relação sexual. Uma das vantagens é que a pessoa desfruta mais tempo do sexo e armazena a energia para a própria vitalidade. Quando os parceiros se familiarizam com a possibilidade de não ter o orgasmo, eles se sentem muito mais energizados, dispostos, e a relação tende a ser mais vivaz e duradoura. Segundo Savian, "o fato de não gozar permite que você circule a energia ativada para os centros superiores, experimentando o orgasmo em níveis bem mais elevados... Pode ter experiências extra-sensoriais... pode ter acesso a uma felicidade profunda... pode ficar muito agradecido, e até falar com Deus".

VITRIOLO é uma das chaves dos alquimistas. Esta sigla quer dizer: "Visita Interiora Terrae Rectificando Invenies Occultum Lapidem" (Visita às entranhas da terra, que retificando destilarás a pedra oculta). A chave está no vidro líquido flexível: o sêmen, o mercúrio, a substância cristônica, o cristal maleável, as águas genesíacas que devem ser trabalhadas dentro do laboratório orgânico. O fornilho do laboratório são o membro viril (espada) e a vagina (graal) conectados.

A água é, inquestionavelmente, o elixir da vida por excelência. O controle das águas (mercúrios) é o controle da vida. Aristóteles (384-322 a.C.) diz, em Luz das Luzes, que o mercúrio deve ser cozido em um tríplice recipiente de vidro muito duro. O recipiente deve ser redondo com um pequeno pescoço. Esse recipiente é o pênis, que deve ser fechado hermeticamente com uma tampa, isto é, deve-se tapar bem os órgãos sexuais para impedir que a matéria-prima da Grande Obra se derrame.

Pérola aos povos

No induismo, o mantra está para o som, tal como o yantra está para o visual; e o tantra, ao relacional. Tantrismo supõe um sistema de relações. Para essa filosofia, a qualidade de vida sempre dependerá do modo como nos relacionamos com a natureza, com as pessoas, com a cultura e, sobretudo, com o sexo oposto.

O tantra surgiu como sistema há mais de cinco mil anos na Índia. Como toda verdade, é malquista pelas multidões; o tantrismo, nome da alquimia hindu, permaneceu oculto por milênios até que passou a atirar pérolas aos porcos, com o advento da era de Aquário, em fevereiro de 1962. A partir dessa data, a onde apolínea (mental) se quebrou, e a onda dionisíaca (intuicional) de Urano passou a dominar todo o planeta. Dionísio, deus do vinho, simboliza o conhecimento prático, corporal. É sob essa influência energética que surgiu a revolução sexual dos anos 60, e a Alquimia passou a ser a ciência-chave da nova era. Gnósticos, iogues e budistas do tantra entregaram este conhecimento milenar por amor, ou seja, mesmo sabendo que tal sabedoria seria profanada, sobretudo pelo povo ocidental.

Segundo Pierre Weil, doutor em Psicologia, "a cultura oriental criou formas de exercício sexual bem mais completas e compensadoras, mais baseadas no exercício do erotismo do que na busca do orgasmo a qualquer custo. Os exercícios tântricos são um exemplo dessa forma de prática sexual desconhecida no Ocidente".

Na Índia, esses exercícios são chamados de Tantra Yoga, Gnana Yoga, Kriya Yoga, Sahaja Maithuna, Kundalini Yoga, Budismo Vajrayana. No Ocidente, essas técnicas são mais conhecidas como Magia, Alquimia, Tantrismo, Hermetismo, Gnose, Rosa-Cruz, Santa-Cruz, Sexo Zen, que são nomes diferentes para uma mesma prática que consiste em estabelecer a cruz mágica: penetrar o pênis na vagina, manter a conexão e a estimulação do prazer, e descruzar sem que haja o clímax do prazer carnal. No mundo ocidental, essa técnica pode ser entendida como um "coito interrompido, sem ejaculação posterior".

Essa energia não desperdiçada no curto-circuito orgásmico, segundo os alquimistas, seria capaz de, mais do que manter a saúde, curar diversas enfermidades e desenvolver o sexto sentido. Esse último poder é conquistado quando, depois de muito treino, a libido sublimada (energia kundalini), altamente estimulada, sobe pelas 33 vértebras da coluna vertebral até o cérebro. As 33 vértebras, segundo os maçons, representam os 33 anos de sacrifício sexual por que deve passar todo cristão ou rosa-cruz autêntico, a fim de que se encha o cálice cerebral ou Santo Graal.

Além de poder detonar o hiperorgasmo espiritual, nesse percurso, a energia sexual sublimada desperta os chakras básicos, cada qual responsável por determinada virtude, poder e cura.

Segundo o alquimista cristão Samael Aun Weor, "nossos sete chakras são sete igrejas internas. Cada uma dessas igrejas contém a sabedoria de um período cósmico. Quando abrimos os sete selos das sete igrejas do livro humano, por meio da espada da Kundalini, então as sete igrejas nos entregam toda a sabedoria cósmica dos sete períodos cósmicos e nos fazem omniscientes".

Eis a verdadeira religião ou religação do ser humano com seu real ser: Deus. Assim, levantando a Serpente (Kundalini) no deserto, Moisés, com sua "vara" (medula espinhal), dominou as "águas turbulentas do mar" (mercúrios da paixão). Mais tarde, Jesus também mostraria o domínio sobre as "águas", caminhando sobre elas e agindo sobre elas. Assim como a primeira lição do Velho Testamento é sobre as águas fenesíacas, o primeiro ensinamento do Novo Testamento é uma lição de alquimia sexual. Nas bodas nupciais de Caná (o sexo), o Cristo transforma a água (libido) em vinho (luz espiritual).

As 33 vértebras pelas quais passa a água viva equivalem aos 33 graus da maçonaria ou 33 pirâmides (pira=fogo + mide=medida). Segundo um gnóstico português, "infelizmente, a sagrada maçonaria, que antigamente ensinava os mistérios do Graal, hoje não passa de 'machonaria' política".

Quem tiver ouvidos de ouvir, ouça

A Bíblia está repleta de simbologias que nos remetem à alquimia. A palavra "Belém", por exemplo, significa "torre de fogo" em caldeu. A aldeia de Belém, no sul da Judéia, ainda não existia na época de Jesus. Porém, simbolicamente se diz que Jesus nasceu em Belém. Beleno era o deus Sol dos germanos e babilônios. "Belém" é uma alegoria que representa a torre a ser levantada dentro do Homem com o fogo de Pentecostes, do cóccix ao cérebro. Este fogo sagrado, que Prometeu roubou do céu, é também chamado pelos alquimistas de Enxofre, Kundalini, Paloma, Espírito Santo, TAO, INRI (sigla de "Igner Natura Renovatum Integra": "o fogo renova a ratureza incessantemente"). Epifânia é o nome da festa religiosa celebrada no duodécimo dia depois do Natal (6 de janeiro, Dia de Reis), em comemoração à revelação de Jesus como Cristo aos cristãos, nas pessoas dos reis magos. Entretanto, todo alquimista sabe que os reis magos nunca existiram fisicamente. São, unicamente, o símbolo das cores da Pedra Filosofal (do árabe Al-Kimia), também chamada de Pedra da Castidade ou Grande Obra. O rei mago da cor negra simboliza o primeiro testemunho da alquimia, quando as águas são negras; o rei mago da cor branca alegoriza o processo das águas se tornando claras; o rei mago amarelo simboliza as águas tomando o brilho do ouro.

O Cristo de Luz só ressuscita no coração humano através da imaculada concepão. Todos nós podemos ficar "grávidos" do Menino de Ouro, o Filho do Homem. Como sabemos, toda gravidez é uma questão sexual. Este é o Segundo Nascimento ou Batismo, ensinado por Jesus a Nicodemus: "Em verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o reino de Deus... Aquele que não nascer da Água [mercúrio seminal] e do Espírito Santo [fogo do amor], não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; o que é nascido do espírito, espírito é" (João, 3:5).

O fogo [triângulo para cima, masculino] e a água [triângulo para baixo, feminino] formam Ur-Anas (fogo-água) ou Urano, o Selo de Salomão ou Estrela Guia, que anuncia o Cristo. "Ditoso aquele que saiba beber das águas puras em matrimônio perfeito, porque nunca mais voltará a ter sede... Guardem o sexto mandamento da lei de Deus... não fornicar!", diz o cristianismo primitivo. "Venerado seja o matrimônio de leito imaculado!" celebrou o gnóstico São Paulo de Tarso.

Em Provérbios (5:15), está escrito: "Bebe a água da tua própria fonte e os filetes de água do meio do teu próprio poço... Sejam tuas águas apenas para ti e não para os estranhos. Mostre-se abençoado o teu manancial, e alegra-te com a esposa da tua mocidade".

Não só a Bíblia, mas outros livros sagrado, revelam o segredo do Santo Graal para quem tem ouvidos de ouvir. Em As Mil é Uma Noites, temos a história do rei Xariar, que, desiludido das mulheres (pois foi traído pela esposa), ordenou ao assessor que lhe trouxesse uma donzela por noite. Depois de possuí-la em leito de luxúria, mandava matá-la na manhã seguinte. Por fim, chegou a vez de Xerazade, a formosa filha do assessor. Esta, porém, utilizou uma estratégia. Noite após noite contava ao rei uma história fascinante; mas, interrompendo-a habilmente ao clarear o dia e retomando-a ao cair da noite, conseguia manter sempre vivo o interesse do monarca, que sempre adiava a morte de Xerazade.

Neste conto, "adiar" pode ser entendido como "deixar, eternamente, a morte para amanhã". Não é por acaso que os franceses chamam o orgasmo de "petit mort" (pequena morte".

Se Oriente

O cotidiano estressante do Homem ocidental o força a chocar seu corpo contra algum outro para aliviar as tensões acumuladas no dia-a-dia. Os ocidentais desconhecem o superorgasmo, porque são apressados e se contentam com um prazer menor, que julgam maior.

Antigos iogues, taoistas e alquimistas, mais sensíveis às vozes do corpo, perceberam que depois do orgasmo comum, o corpo fica fraco, preguiçoso. Então, decidiram se reeducar sexualmente. O sexo seria para degenerar ou para regenerar? Qual seria o verdadeiro objetivo do sexo, além da reprodução, do alívio das tensões e do entretenimento?

Os sábios chegaram à conclusão de que, além da função reprodutiva (instintiva) e recreativa (prazerosa), o sexo tinha uma função religiosa (religação espiritualizante). Desde Adão, o Homem fez do sexo uma pedra de tropeço e degeneração. Todavia, esse mesmo Homem também pode fazer do sexo um altar de regeneração. Gautama, o Buda, sentado quatro dias com suas noites em profunda meditação à sombra da figueira (força sexual), alcançou a iluminação final.

O sexo começa a virar pedra de tropeço na adolescência, quando o ser humano, experimentando os prazeres do corpo, acaba confundindo orgasmo com espasmo. A masturbação geralmente culmina em espasmo genital. Filmes pornográficos mostram inúmeras cenas de espasmo genital. O espasmo é sempre muscular, enquanto o orgasmo, além de físico, é psicológico e espiritual. Para os mestres orientais, o espasmo nervoso é uma experiência limitada, diante do orgasmo transcendental, que é mais totalizante.

É possível ter espasmo sem orgasmo, e também orgasmo sem espasmo. A ejaculação (espasmo no homem) e o orgasmo só estão interligados na cultura ocidental, que se condicionou a achar que sexo é aquela "tremenda gozação" que se vê nas orgias e nos vídeos pornôs.

Muitos homens chegam a dizer que transar sem ejacular é um absurdo. Esses mesmos homens não percebem o absurdo que é derramar 7 milhões de espermatozóides, quando só se necessita de um para gerar uma gravidez. Um só espermatozóide escapa facilmente das glândulas sexuais, sem haver necessidade de ejacular o esperma.

De acordo com Dion Fortune, "a chave é a concentração da energia e não a fuga do mal... Deve-se dirigir as forças vitais para os planos onde elas são necessárias e inibi-las nos planos onde elas são desnecessárias no momento, não porque seja mau o seu uso, mas porque seria um desperdício. Para tanto, necessita-se do mais completo domínio de si mesmo, domínio tão completo que não se tenha necessidade de reprimir os desejos porque não se deve nem senti-los".

Adão e Eva

Segundo a Cabala, como era conhecida a religião oculta dos judeus, Adão não foi um só indivíduo, nem Eva uma só mulher. O mito de Adão e Eva simboliza os milhares de homens e mulheres da Lemúria, gigantesco continente pré-histórico que se afundou no Oceano Pacífico.

Os lemurianos se degeneraram moralmente, por mau uso do livre-arbítrio. O sexo desenfreado acabou atrofiando suas percepções espirituais. Segundo a antropologia cabalística, os casais da Lemúria sempre tinham suas relações sexuais dentro dos templos, assistidos pelos kummaras (sábios sacerdotes). Todavia, alguns lemurianos passaram a ter relações sexuais fora dos templos, contrariando as determinações religiosas.

Os casais se rebelaram contra a direção dos kummaras. Como conseqüência, acabaram perdendo suas faculdades transcendentais. Mais tarde, arrependidos, os casais tentaram entrar novamente nos templos, porém os sacerdotes impediram: "Fora, indignos!".

Os casais foram expulsos do Paraíso porque comeram do fruto proibido. Ou seja, deixaram de lado a santidade e o amor no sexo, e se entregaram à paixão carnal e à perversidade. Por isso, perderam suas faculdades mágicas. A partir daí, o homem passou a trabalhar duramente para sustentar a mulher e os filhos, e a mulher passou a trazer seus filhos ao mundo com dor.


Santa Cruz

Hoje, no mundo ocidental, é costume se jurar perante a Bíblia ou perante a Cruz, por serem símbolos sagrados. Porém, as juras nem sempre ocorreram desse modo na Antiguidade. Naquele tempo, para se tomar o juramento de uma pessoa, ela deveria colocar a mão sobre o órgão sexual do ser a quem fazia o voto ou a promessa. Isso porque, no cristianismo primitivo dos gnósticos, o sexo é a parte mais íntima do ser, porque tem o poder da reprodução. Tanto é verdade que, ainda hoje, é comum ofender as pessoas com palavrões, que sempre carregam conotações sexuais, que atacam o íntimo da pessoa.

Na filosofia exotérica (pública e acadêmica), a Cruz representa o encontro espacio-temporal, ou seja, o cruzamento entre o espaço horizontal e o tempo vertical. O ponto em que as duas retas se cruzam não está nem no plano espacial, tampouco no plano temporal, mas sim no plano espiritual. Baseadas nesse conceito, algumas doutrinas orientais acreditam que a Cruz nada mais é do que o "X" de anulação do desejo do ego (espaciotemporal) em virtude da vontade do Pai (espiritual).

Contudo, na filosofia esotérica (restrita e iniciática), a Cruz é o símbolo do sexo, do encontro mágico entre o eterno feminino horizontal e e eterno masculino vertical. Eis a rosa-cruz, mistério do amor também presente no yin-yang chinês, no pai-mãe gnóstico, no Osiris-Ísis egípcio, no Zeru-Ana persa, no Adam-Kadmon cabalista, no theos-chaos grego, no Iod-Heve (Jehovah) semita, do Ur-Anas (Fogo-Água) caudeu, este ensinado por Jesus a Nicodemos.

"Quem quiser vir após mim, negue a si mesmo, tome, dia-a-dia, a sua cruz e siga-me". Negar a si mesmo é dissolver o egoismo, ou seja, preparar o solo da alma de Belém. Tomar a cruz consiste em praticar magia sexual com amor casto. Seguir o Cristo significa sacrificar-se pelos demais, revelando o segredo do Graal com bom senso.

O Santo Graal é o que há de mais precioso em Ciência, mais sutil em Arte, mais profundo em Filosofia, e mais espiritual em Religião. O Graal é a Cruz do Amor, para onde os quatro pontos se convergem.

Os "Nicodemos da vida" têm ouvidos de ouvir mas não ouvem, porque os preconceitos morais os fizeram surdos. Para os nicodemistas, sexo não passa de pecado. Segundo o Evangelho de João (3:12), Jesus já previra a incompreensão: "Se vos disse coisas terrenas e ainda não credes, como crereis se eu vos disser coisas celestiais?"

Para saber mais:

1. Eliphas Levi, A Chave dos Grandes Mistérios, Ed. Martins Fontes.
2. Philip T. Sudo, Sexo Zen: O Caminho da Plenitude, Ed. Sextante.
3. Darrel Irving, A Serpente de Fogo: Uma Visão Moderna da Kundalini, Ed. Pensamento.
4. Robert A. Johnson, He - A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina, Ed. Mercuryo.




Comments: Post a Comment

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?